Para debater expectativas, desafios e prognósticos para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no país, começou, nesta quinta-feira, 4, o Fórum do Conselho Nacional de Secretários para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti) e Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap). O encontro, que está sendo realizado até sexta-feira, 5, no Il Campanario Villagio Resort, em Florianópolis tem como o objetivo articular esforços e estreitar relações com agências federais e entidades internacionais.

“Estamos montando um ecossistema de inovação que favoreça o crescimento da Ciência, Tecnologia e Inovação em nosso Estado, e principalmente, que seja visto como elemento essencial para o desenvolvimento econômico em todas as atividades produtivas, garantindo a qualidade de vida dos catarinenses”, destacou a secretária do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Lucia Dellagnelo, que representou o governador do Estado, Raimundo Colombo, na abertura. A solenidade contou com a presença do Ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação em exercício, Alvaro Prata.

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) assinou dois termos de cooperação, sendo um com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e outro com a União Europeia. Foi firmado, ainda, um acordo para o lançamento do projeto catarinense Sinapse da Inovação em Amazonas. O objetivo do Sinapse é transformar e aplicar as boas ideias geradas por estudantes, pesquisadores e profissionais dos diferentes setores do conhecimento e econômicos em negócios de sucesso.

O presidente do Confap e da Fapesc, Sergio Gargioni, falou sobre a dificuldade do setor público em priorizar a área de CT&I. “Temos ampliado estes recursos com todas as fontes de financiamento e parcerias”, salientou. Segundo o presidente do Consecti e secretário do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia de Sergipe, Saumíneo Nascimento, o investimento em CT&I no país é pouco mais que 1% do Produto Interno Bruto (PIB). “O ideal é que tivéssemos, pelo menos, 2%”, diz.

A programação inclui a avaliação e perspectivas de uma nova legislação em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), possibilidades de parcerias, avaliação das ações, além de um debate sobre os projetos para 2015.

Inovação Catarinense – Foram anunciados os três vencedores na categoria Protagonista da Inovação do Prêmio Stemmer Inovação Catarinense. O Prêmio Stemmer foi criado em 2008 pela Lei 14.328, a Lei Catarinense da Inovação, que dispõe sobre incentivos à pesquisa científica e tecnológica e à inovação no ambiente produtivo no estado de Santa Catarina. A premiação tem o objetivo de reconhecer e dar visibilidade a pessoas e instituições catarinenses que promovem o conhecimento científico e tecnológico.

Em terceiro lugar foi escolhida a Vinícola Panceri, representada por Celso Panceri, de Tangará. Gabriel de Freitas Nunes, da TNS Nanotecnologia, de Florianópolis, foi o segundo colocado. O primeiro lugar ficou com Fabiana Lima, da Brasil Materiais e Instrumentais, de Palhoça, que desenvolveu um clareador e dessensibilizante dentário com ativos encapsulados por nanotecnologia.