Lançado em junho de 2015, o SC+Energia - Programa Catarinense de Energias Limpas já apresenta resultados positivos das suas atividades. Neste período, a Fundação do Meio Ambiente (Fatma) liberou 11 Licenças Ambientais de Instalação (LAI), o que representa R$ 511 milhões em investimentos no Estado.

São Pequenas Centrais Hidrelétricas PCHs, Centrais Geradoras Hidrelétricas CGHs e Fotovoltaicas que começam a se instalar em solo catarinense e que, quando estiverem ativas, vão gerar 114,7 megawatts (MW), o suficiente para abastecer 157 mil residências.

“A questão da energia é essencial para o crescimento e apostamos nas fontes limpas para aliar o desenvolvimento à sustentabilidade. Nossa meta era gerar mais mil MW e, com estes resultados, sabemos que vamos superar os números iniciais”, comemora secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS) e coordenador do projeto, Carlos Chiodini. Além dos empreendimentos liberados, 64 novos projetos estão tramitando no programa, e quando implantados, irão gerar mais de 2 mil megawatts (MW).

Foram cadastrados empreendimentos para geração de energia eólica que somam 868 MW, o restante para produção energética proveniente de PCHs, CGHs e Fotovoltaicas. ”Isso significa um investimento superior a R$ 12 bilhões em geração de energia limpa para o estado”, explica Chiodini.

O grupo de trabalho do SC+Energia é formado por representantes da Secretaria da Fazenda (SEF), Fatma, Junta Comercial de Santa Catarina (Jucesc), Agência de Fomento de Santa Catarina (Badesc), Companhia de Gás de Santa Catarina (SC Gás), Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Associação de Produtores de Energia de Santa Catarina (Apesc), Fundação de Amparo a Pesquisa e Inovação (Fapesc) e Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).